Distensão e “acordo” de Lula com a cúpula das Forças Armadas

Bruno Beaklini (@blimarocha) – janeiro 2023 O domingo 08 de janeiro foi um ponto de virada na história política brasileira do século XXI. Mais de 100 ônibus levaram reforços para o mega acampamento até então situado na frente do Quartel General do Exército. O dispositivo de policiais militares do Distrito Federal simplesmente escoltou os “manifestantes”…

O Capitólio Bananisteiro, a Guarimba da Gadaiada e o Partido Militar

o objetivo de anistia nos crimes sanitários e das ameaças golpistas do generalato, e para assegurar esta meta, outros episódios como o da “guarimba da gadaiada” ou um Riocentro no século XXI podem ocorrer. Há uma possibilidade concreta de “vôo cego”. As capacidades do GSI cuja cadeia de comando está contaminada serão um desafio permanente do novo governo. Administrar um país sem uma inteligência confiável e cujo cliente único e final seja a Presidência é simplesmente impossível. É bom que a social-democracia saiba e lembre disso a todo o momento.

Edson e Pelé, uma abordagem complexa

Pelé faz parte do primeiro elenco campeão em 1958, é o craque do escrete na Copa do Chile (se contunde e pouco joga) quando conquistamos o bicampeonato. Em 1966, a seleção é marionete nas mãos da ditadura que quer implantar um regime e o desempenho na Inglaterra é sofrível. No México, durante o auge do AI-5 e a repressão política (estado de guerra de interna), montamos um time de sonhos com excelência de treinamento e Pelé se consagra aos 29 anos. Em 1974 não vai à Copa e se despede dos gramados brasileiro. Ajuda a abrir o mercado de futebol nos EUA até chegar à sua segunda despedida do futebol em outubro de 1977.

O uso da camisa amarela e mais uma decepção futebolística

Este que escreve cumpre a sina de muitos colegas que se dedicam à análise política, mas foram formados cultural e subjetivamente pelo mundo da bola. Logo, se não é correto escrever profissionalmente a respeito das quatro linhas, fora destas temos o dever de refletir e fazer a crítica da economia política do futebol profissional. Assim, a primeira reflexão é a óbvia. Considerando o volume de contratações de jovens desportistas por centros que operam com moeda mais forte no comércio internacional (dólar estadunidense, euro e libra esterlina), nos damos conta de que aí opera uma injustiça histórica. Seguimos primarizados, cedendo tanto a fuga de cérebros no setor do desenvolvimento científico e acadêmico, assim como o mundo vê um fluxo de chuteiras na legítima busca de um futuro melhor para seus familiares e entorno.

A projeção da imagem palestina na Copa do Mundo do Catar

Bruno Lima Rocha Beaklini – dezembro 2022 (@blimarocha) A primeira fase da Copa do Mundo marcou uma série de momentos onde houve debate, polêmica, temas de representatividade e algumas bandeiras mundiais se tornaram visíveis. Como era de se esperar, a correta crítica às violações de direitos humanos e do mundo do trabalho não foram proporcionais…