O “Xandão” é o Lott do centro e da social-democracia

Bruno Lima Rocha (@estanalise) – agosto 2022

A corja empresarial golpista foi alvo de operação da Polícia Federal – em 23 de agosto de 2022 – autorizada e a pedido do ministro do STF Alexandre de Moraes. Por um lado, é relevante ver algum grau de repressão jurídica contra essa laia, não por acaso, recheada de sionistas convictos, como Meyer Joseph Nigri (Tecnisa) e José Isaac Peres (Multiplan). Ah, como sempre, tem um libanês no meio queimando o filme dos apoiadores da Palestina, a exemplo de José Koury (Barra World Shopping). Nesta corja tem de tudo, de dono de cadeia de restaurante metido a grã fino ao onipresente importador Luciano Hang (que atende pela alcunha de Verme da Havan).

O problema de fundo é outro. Tudo foi feito às claras, pela rede social, e não se tratava sequer de um grupo criptografado. Excelente apuração e reportagem de Guilherme Amado (portal Metrópoles), um baita jornalista que sequer pode ser denominado “de esquerda”. Daí estamos diante de um impasse da “democracia liberal”.

Do jeito que a maré está, e na caminhada inexorável rumo ao “centro” da política, o mundo deu tanta volta que o pato está meio alucinado. A FIESP defende combate a fome, hortas urbanas, cozinha solidária e uma política nacional de preços ao consumidor. Já a garantia das liberdades democráticas é feita por um ex-procurador linha dura de São Paulo, admirado na barra pesada das polícias paulistas e nomeado ao Supremo pelo governo golpista de Michel Temer.

O imobilismo social é o inverso da mobilização nas redes, e deveria ao menos ser uma proporção disso. A cultura política brasileira é inversamente proporcional ao drama social da maioria. Enquanto a social-democracia aposta tudo nas eleições, os movimentos populares vão a reboque da nova linha que vem do norte hegemônico, tendo no STF (o mesmo que apoiou o golpe de 2016, com o Supremo com tudo) e na parcela liberal do PIG seus porta-vozes. O marechal Henrique Lott, foi o militar de alta patente que deu o golpe preventivo e garantiu a posse de JK. Na hora de retribuir, nove anos depois, o ex-presidente do PSD mineiro apoiou o golpe de 1964, apostando de forma amoral que poderia ganhar no voto a eleição sob tutela da milicada e da CIA. O JK de agora pode se chamar Família Marinho.

A própria Globo parece que tomou um curso intensivo com Barack Obama e Hillary Clinton. Esta empresa apoiou o golpe de 2016, não perturbou Bolsonaro na eleição sob ameaça militar de 2018, assim como foi o esteio da conspiração pró-ditadura desde 1961 e mesmo em 1954 na crise que leva ao suicídio de Vargas. Não custa lembrar que a embaixada dos U$A não apoia virada de mesa e vai punir o empresariado que aderir à uma aventura político-militar.

E por esquerda, quais caminhos estão abertos no curto prazo para ganhar fôlego e ir além de uma campanha antifascista?!

O Coiso na Rede Bobo e o republicanismo da ex-esquerda

Bolsonaro no Jornal Nacional (2a, 22/08/22) não foi posto contra a parede no modelo econômico e sequer foi lembrado que antes da pandemia, a gestão de Paulo Guedes à frente do Super Ministério da Economia atendia pela alcunha de “Pibinho e Dolão”. O tema mais candente foi abordado de maneira parcial, como o desgoverno negacionista durante o auge da pandemia, nos anos de 2020 e 2021.

Mas o calor do momento é a alegação de “acordo e pacificação” de Bolsonaro, a extrema direita e o alto comando das Forças Armadas junto ao Supremo e TSE. Na mesma semana, a do fatídico 24 de agosto (o de 1954), a PF pediu autorização direta ao STF para montar uma operação contra o empresariado publicamente golpista, após a excelente reportagem já citada.

O poder aquisitivo dos conspiradores diletantes, dos boca aberta que falam em nome de golpe mas jamais arriscariam sua integridade física e o antecedente de 07 de setembro de 2021 nos avisa que há algum risco real e imediato.

Infelizmente, vale reforçar, a dianteira do contra golpe é dada por uma instituição – o Supremo – e um ministro do STF – o Alexandre de Moraes – que corroboraram o governo golpista de Michel Temer assim como se rebaixaram diante das duas ameaças do então comandante geral do Exército, Eduardo Villas-Bôas.

Ao ameaçar o STF, o voto “segundo a colegailidade” – deu 6 a 5 – era o lavar as mãos da ministra Rosa Weber negando o habeas corpus ao ex-presidente Lula. Luiz Inácio, de sua parte, jamais convocou a mobilização popular e apostou na resiliência legalista. A ex-esquerda é a única força realmente republicana no Brasil.

Repito, estamos em uma analogia com a eleição de 1955, já saímos de 1954 ao menos – um longo ciclo iniciado no segundo turno de 2014. Não há base de mobilização popular, a social-democracia centraliza todas as expectativas no jogo eleitoral e certamente se ganha, não leva como um todo, pois vai montar a maioria com o mesmo Centrão de sempre, buscando os votos comprados por Bolsonaro através do orçamento secreto comandado pelo coronel Arthur Lira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s