EUA X China e a tensão no Pacífico

Bruno Beaklini (@estanalise) – agosto 2022

No momento em que concluímos esse artigo, a ilha de Formosa, capital Taipei, sede política da república fundada por Chiang Kai Shek e outras lideranças de duvidosas procedências, experimentava um cerco estratégico. A República Popular da China respondia com manobras militares de envergadura, algo que não ocorria desde março de 1996. A causa desse conjunto de exercícios de força é a provocação da Casa Branca e do círculo direto de altos mandos do Partido Democrata.

A visita da presidenta da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi encaixou uma visita à Taiwan em seu giro pela Ásia. Antes passou por Malásia, Singapura e depois da tumultuada ida à Taipei, ainda iria ao Japão e Coreia do Sul. A impressão que temos ao ver esse tipo de “arroubo diplomático” é um desejo incontido de volta ao passado recente. Tal como o ex-governador da California Ronald Reagan (do seu estado), Pelosi parecia estar em um filme da década de 1980, quando os tigres asiáticos ainda incidiam mais na economia mundial, liderados pelo Japão.

A aproximação entre EUA e a China continental

Era outro momento, em qure a economia do mundo passava pelo direcionamento de Paul Volcker e sua política de cortar na carne, desindustrializar parte dos Estados Unidos e atrair o giro de investimentos da Europa e do Japão para a praça financeira estadunidense. Ainda em 1979, Taiwan deixa de ser reconhecida pelos EUA, dando concretude a um processo de discussão diplomática iniciado ainda no auge do maoísmo e ratificado em 1971 entre Richard Nixon e o própro Mao Zedong. Antecedida pela chamada “diplomacia ping pong”, culmina anos de aproximação entre Washington e Beijing concomitante aos momentos mais tensos da Guerra Fria.

A superpotência anglo-saxã entendia que estava colocando uma cunha no bloco eurasiático, ampliando as tensões que levam à ruptura sino-soviética. Estamos na terceira década do século XXI e o debate cibernético nem se aproxima do que foi a interna do bloco soviético, fosse na Europa a exemplo da linha Iugoslava, na América Latina com a linha cubana se opondo a “convivência pacífica” ou na Ásia, com o afastamento da cúpula do PC Chinês da condução de Nikita Krushchov.

Quando da aproximação entre Mao e Nixon e depois, novamente no decisivo ano de 1979, com a visita de nove dias do gabinete do então premiê Deng Xiao Ping aos Estados Unidos, sendo recebido com todas as honras pelo governo do democrata Jimmy Carter. De 28 de janeiro a 5 de fevereiro do anos citado, Deng passou por importantes cidades estadunidenses e entendeu que era o momento de se associar ao circuito mundial do capital. Se a praça financeira do mundo seria no eixo entre Nova York e Londres, o crescimento da economia mundo passaria pela costa oeste dos EUA e o Japão.

Deng instaura as Zonas Econômicas Especiais, onde implicava a atração de indústrias, altíssima concentração de mão de obra (com o fator produtividade e controle sobre a força de trabalho) e toda a infra-estrutura necessária para atrair o capital. Na década de expansão dos chamados tigres asiáticos, na esteira de crescimento do Japão e na sequência vindo a Coreia do Sul, o planeta via os parques fabris de Taiwan (a província rebelde), Hong Kong (sob controle briânico ainda), a emergente Singapura além do distensionamento do Sudeste Asiático e do Mar do Sul da China.

Beijing cumpriu todos os passos dos demais centros de desenvolvimento capitalista, mas contava com um fator importante. Jamais teve seu território ocupado após 1949 e nunca perdeu o controle central sobre as decisões estratégicas do país. O Império japonês e a república sul-coreana, assim como as Filipinas, a própria Ilha de Formosa e então o protetorado de Hong Kong tinham a presença de tropas estrangeiras. Beijing pode controlar a oposição interna, deixar expandir a base de consumo, urbanizar boa parte do país e investir em infra-estrutura.

Simultaneamente, a década de 1990 e a primeira década do século XX formaram o ciclo de vinte anos onde a repatriação de capitais ultramarinos alimentou a expansão da economia chinesa. Passados vinte anos no presente século, a China deixou de importar capitais para exportá-los, não apenas na forma de venda de produtos manufaturados e compra de commodities agrícolas e primárias, mas também em investimentos de alto valor agregado e bens de capital. No continente asiático, promove a expansão da nova rota da seda, o desenvolvimento baseado em acordos com presença de ferrovias, acordos securitários e integração de terminais de multimodais. Depois da longa recessão japonesa iniciada em 1989 e cujo estouro definitivo veio com a bolha da especulação imobiliária de 1994, culmina a chamada crise asiática. Seu auge veio com a falência da Tailândia, incluída a intervenção do FMI na soberania da Coreia do Sul e antecedida pela quebra fraudulenta do Banco Barings na Malásia.

A China, sua expansão asiática e o fim da ambiguidade estratégica

Em todas essas etapas a China passou não apenas incólume, mas se fortalecendo. Hong Kong era protetora do Reino Unido e passou para a gestão chinesa, como região administrativa especial, assim como Macau. Essas duas praças financeiras, somadas a de Singapura, operam como centros de atração financeira, complementares a Xangai e toda a costa cantonesa, lugar ímpar de industrialização acelerada. No nordeste da Ásia, a província de Liaoning (capital Shenyang) forma o epicentro de crescimento da indústria e dos sistemas de cargas multi-modais.

Neste portal já abordamos em diversas passagens a capacidade de autonomia decisória chinesa a partir da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) e o tabuleiro eurasiátio que vai da costa do Pacífico até os limites da parcela europeia da Rússia. O fluxo de capitais japoneses e sul-coreanos cada vez conflui mais para o circuito chinês e não para a hegemonia exclusiva do dólar. A própria Australia, fiel vassala das criminosas empreitadas imperiais dos EUA no século XX, se vê dependente das relações econômicas com a China e também sempre diante do desafio de seu lapso populacional poder ser preenchido com imigração chinesa. Entre a prosperidade na economia alinhada com a Ásia e as práticas imperialistas em condomínio com Washington, como no complexo de espionagem de Pine Gap, o governo de Camberra ternina optando pela vasalagem aos seus primos do Sistema Cinco Olhos.

Todos esses fatores levam ao princípio do fim da “ambiguidade estratégica” como nos explica de forma exemplar o professor Róbson Carloch Valdez. O tema mais delicado, além da integridade territorial e os conflitos de interesse no Mar do Sul da China, é a cadeia global de semi-condutores, onde a indústria taiwanesa é complementar aos complexos fabris continentais. Tal como seu antecessor, o presidente democrata Joe Biden afirma com todas as letras que a China é “o país a ser derrotado” e para tal podem empregar o conjunto de recursos disponíveis neste confronto.

A viagem de Nancy Pelosi e sua evidente provocação em Taiwan é a demonstração cabal que os Estados Unidos são hoje o maior fator de desestabilização da economia mundial. Os interesses estratégicos de seus rivais continuarão a ser atingidos, provocando situações que podem beirar os limites e aumentando a tensão em zonas do comércio mundial onde os EUA cada vez mais perdem espaço e presença.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s