O martírio e a imortalidade da Voz da Palestina

Bruno Beaklini (@estanalise)

O artigo que segue distingue dos demais produzidos semanalmente por este analista. Temos análise, mas mesclada com ensaio e a indignação pela crueza dos fatos e a crueldade do opressor. O martírio da jornalista palestina Shireen Abu Akleh foi mais um assassinato dentre centenas de profissionais de mídia desde o início da ocupação colonial. Não se trata de mais um texto de homenagem, todos mais que justificados.

Partimos de um ensaio com a poética de nossas brimas e brimos e observamos esse momento único, onde um fato singular revela toda a estrutura dos crimes sionistas. Dentro da dor revela-se a grandeza de um povo, território, países e nação agredidos há mais de cem anos, alvos de cobiça e conspirações das potências imperialistas. Culmina na própria imortalidade de shaheeds em escala de milhares, quase milhões. 

O martírio da Voz da Palestina

Shireen Abu Akleh foi assassinada no dia 11 de maio deste corrente ano pelas forças da ocupação que marcaram toda sua vida. A repórter que começou a trabalhar na emissora Al Jazeera em 1997, nasceu em Jerusalém Oriental (Al Quds), no ano de 1971, já sob a ocupação estrangeira. Sua vida foi após a Naksa e sua existência devotou-se para combater os efeitos nefastos concretizados na Nakba.

Shireen era de família melquita, católica bizantina, uma das clássicas igrejas cristãs do Oriente, mais próxima do cristianismo de Issa e não do Império que matou o Messias. Como Eescho, foi assassinada por invasores, à luz do dia e identificada como jornalista; e não combatente, sequer manifestante. Ela lutava com os instrumentos da fala, da palavra e da verdade dos fatos.

A repórter tinha cidadania estadunidense, como milhares de palestinas e palestinos, em especial os de famílias cristãs. A presença de “cananeus da Filisteia” no território estatal formado pelas 13 colônias invasoras europeias data de mais de um século. Ela poderia ter ficado nos EUA, e não há demérito algum nisso. Mas, como quase sempre acontece, a terra lhe chamou de novo, e pela devoção à verdade, encontrou o martírio através do fuzil dos tiranos coloniais.

Como se não bastasse, teve seu velório violado, com repressão, prisões, apostasia contra sua igreja melquita, agressão contra o ato ecumênico. Nada foi escondido, ceifaram sua vida à luz do dia e brutalizaram o ritual de passagem sob o sol da Palestina Ocupada. Shireen exemplifica o martírio do povo palestino.

O fim da hipocrisia, o reino do eufemismo

Cada vez mais o cinismo deixa de ser parte da liturgia do Terrorismo de Estado, o motor da economia de guerra que alimenta a entidade colonial sionista apelidada pelos invasores como “Estado de Israel”. Se todas as chacinas e massacres oficiais até a década de 1980 foram praticados pelos trabalhistas sionistas, após a segunda invasão do Líbano, o crime de Sabra e Chatila e o início da 1ª Intifada, a “direita” israelense começa a ser hegemônica na política doméstica no interior do Apartheid.

Pararam de se poupar internamente (até mataram um ex-comandante da Palmach), aumentaram a divisão social dentro dos ocupantes, importaram cada vez mais população, incluindo centenas de milhares de europeus de fé judaica dos espaços pós-soviéticos. Como toda sociedade fundada em um crime – a expulsão da população originária de sua terra natal -, e justificada por outro crime – a tenebrosa perseguição aos judeus europeus pelos nazistas – vive sob tensão interna e externaliza no “outro” seus próprios demônios.

O “outro” é sempre o alvo permanente, a legitimidade de quem lá reside há mais de três mil anos, o fato de que até a tal “diáspora europeia” tem tanta veracidade como o dilúvio a inundar todo o planeta. Pouco importa a verdade histórica, o fato concreto, as alianças sem fim das colônias sionistas com os impérios de turno, com preferência para o “mandato” britânico e imanência dentro do Congresso dos EUA.

Se o polonêsDavid Grün (apelidado de David Ben Gurion) organizava a informação colonial e forças paramilitares auxiliando os cruzados ingleses, seus descendentes como governadores coloniais, colocam a população leal não europeia como ponta de lança da limpeza étnica. Mizrahins e afrodescendentes são a bucha de canhão dos invasores, como os regimentos coloniais britânicos empregavam gurkhas e sikhs contra punjabis, hindis e tâmiles. Manobra antiga, manipulada através da lente de última geração financiada como “ajuda militar” vinda do Departamento de Estado.

As mesmas câmeras que abordam a tudo como “disputa narrativa”, os embates sem fim com os “sionistas de esquerda” (eu mesmo já entrei nessa vala comum e não saí sem estar sujo), ganham ainda mais intensidade quando o inimigo cria um ministério para tal. Atende eufemisticamente como Ministério de Assuntos Estratégicos e Diplomacia Pública de Israel e acusa a tudo e a todos que combatem os invasores como “antissemitas”.

Quase sempre é a mesma ladainha. Europeus de fé judaica e apoiadores da ocupação da Palestina acusam a semitas ou descendentes de semitas de serem “antissemitas”! E enquanto do lado de cá do oceano entramos em embates de palavras, em Al Quds o inimigo assassina uma repórter, autêntica “tecelã das letras”.

A mira dos fuzis do exército de ocupação traz outro eufemismo: Forças de “Defesa” de Israel. Curioso. Os brancos do Apartheid Sul-Africano também estavam se “defendendo”, tanto na política interna como dos países independentes da África Austral. O recrutamento também é incessante. Deste modo, um jovem de classe média ou alta no Brasil, pode ir para a Palestina Ocupada e gozar de direitos de ocupante, desde que sirva às Forças de “Defesa” assassinando crianças, mulheres e outros jovens como ele ou ela.

A imortalidade da Voz da Palestina

Toda a guerra de propaganda do inimigo, empregando termos em inglês como “greenwashing”, “pinkwashing”, cai por terra quando o caixão de Shireen é atacado, e esta agressão é transmitida em escala planetária. O projeto colonial atrai capitais transnacionalizados e tem penetração em importantes centros de decisão, como Washington, Londres, mas também Moscou e Berlim. No mundo europeu e anglo-saxão, faz o que pode para se colocar como aliado fundamental, ou grupo de pressão imbatível na política doméstica das democracias ocidentais.

Shireen era cristã, mulher, independente, profissional consagrada, voz ativa e altiva. Conhecida mundialmente, venerada no Mundo Árabe e Islâmico. A repórter da Al Jazeera carregava em si toda a quebra de estereótipos muito bem trabalhados pelos invasores. As famílias palestinas são “atrasadas”, inimigas do progresso e do ocidente, o arabismo é anti-cristão e outras mentiras mais. De novo, pouco importa para o caluniador lembrar que o pan-arabismo, o movimento nacional árabe e as lutas de libertação nasceram umbilicalmente ligadas a famílias cristãs, como de Abu Akleh, Habash, Hawatmeh, Aflaq, Zaydan, Said e centenas de outras.

A entidade sionista se porta como a iluminada civilização francesa, celebrando a libertação de Paris dos ocupantes nazistas, e logo depois torturando árabes e vietnamitas, empregando até mercenários que serviram aos antigos inimigos. O cinismo colonial não tem fim nem limite, e menos ainda a defesa do “privilégio histórico” que denomina de “conflito” uma luta popular tão assimétrica como a greve geral seguida da Grande Revolta Árabe na Palestina contra os tiranos do Mandato Britânico e seus protegidos europeus.

Choramos nossas mártires e seguimos. A Palestina e o Bilad al-Sham são imortais, assim como a Voz da Palestina através do exemplo de Shireen Abu Akleh.

Artigo originalmente publicado no Monitor do Oriente Médio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s