Para encerrar minha participação no debate sobre Cuba e Fidel

Por Bruno Lima Rocha

Não há nada a comemorar com a morte de Fidel Castro, mas tampouco há que se deixar levar pela tentação de cultuar aos “grandes líderes”, a déspotas esclarecidos, ainda que tenham sido heroicos por toda uma vida. Cuba foi a grande revolução da América Latina e do Caribe, e sob as barbas do Império, transformou um prostíbulo em um país orgulhoso. Expulsou o imperialismo a bala e teve a generosidade de enfrentar a politica externa soviética e contrapor à linha de Moscou de convivência pacífica com o capitalismo durante os anos 60 e 70. Na década de ’80, arriscou seu magro orçamento no apoio da luta em Angola e na Nicarágua. Quanto a isso os méritos são inquestionáveis.

A tristeza com Cuba é a tentação autoritária, é por não haver aprofundado sua melhor, mais divina invenção, o conceito de Poder Popular. Um país pequeno, com população culturalmente coesa e afro-centrada, seria a democracia direta de orixás e machetes. A aproximação com a União Soviética trouxe por tabela uma dependência interna, a necessidade de realizar os acordos de cooperação e implementar um modelo semelhante.
Assim, de cinco organizações políticas que derrubaram o governo do ridículo e brutal ditador Fulgencio Batista, só uma, o 26 de Julho, terminou restando, se fundindo no PSP, antigo satélite de Moscou e ex-aliado de Batista. A vergonha termina com a fusão de ambos grupos no Partido Comunista Cubano, stalinista e orientado pela URSS.

Culturalmente, Cuba não é vencida pela demência eurocêntrica, cientificista e pretensiosa de explicação universal dos russos e seus satélites. Mas, reforço, há sempre o culto a personalidade e o mito do Deus vivo, no caso, Fidel. Os demais, santos guerrilheiros, um morreu em situação suspeita – Camilo Cienfuegos, que junto a Frank País era o líder mais popular do processo, bem mais popular do que Fidel – e o outro, Ernesto Guevara de la Serna, el Che, morreu em combate no planalto boliviano, também traído pelos pró-soviéticos de lá, o PC Boliviano.

Cuba é uma beleza pela sua resistência e uma enorme tristeza pela chance perdida de criar um socialismo humanista – como desejava o Che – anti imperialista – como desejava o Che – e tão altivo diante dos imperialistas da burocracia de Moscou como dos capitalista de Washington.

Viva Cuba, críticas respeitosas ao caudilho que se foi, mas nenhuma complacência com Raúl e seus seguidores da linha chinesa de Deng Xiao Ping. Ah, detalhe: Raúl só assume porque Fidel assim concorda. E aí, onde está a soberania popular para decidir os rumos do país. É perfeitamente possível ter uma economia planificada e autogestionária e democracia direta, com liberdades políticas plenas para o pensamento igualitário. Vamos em frente, com os melhores exemplos cubanos para nos guiar.

Saudações libertárias, Bruno Lima Rocha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s