Fico com Teófilo Stevenson como exemplo da garra do povo afro caribenho cubano

Por Bruno Lima Rocha e Marcelo Cortes

Fidel faleceu, e não choro por isso. Mas, que viva a resistência de um povo peleador, mais generoso do que seus líderes autoritários e carismáticos. A saída sempre está na cultura popular, na resistência que emana dos punhos e guias que nos ajudam.

Sim, uma história, uma revolução negra, assim como a Revolução Haitiana, resistências latino americanas, como a Revolução Mexicana. Na América Latina essas foram as resistências pouco lembradas e valorizadas, pois algumas pessoas preferem – e foram treinadas para – tirar o protagonismo desses povos e das lutas dos povos originários, preferindo ficar com o status que trazem lembrar dos ícones e “lideranças” relativamente brancas, movimento comum que a história tradicional faz, para esvaziar o conteúdo Indígena e Negro desses movimentos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s