Debate Político no campo da Esquerda com Clementino Lopes

Por Bruno Lima Rocha, 07 de janeiro de 2016

Clementino Lopes é um veterano militante socialista, advogado que defende incansavelmente o direito dos trabalhadores, fundador do Partido dos Trabalhadores e a referência militante no Rio Grande do Sul na frente de luta da radiodifusão comunitária, sendo fundador tanto da Abraço-RS como da Abraço Nacional. Temos muita liberdade para entrar em temas polêmicos e insisto que gente como ele empresta a legitimidade para um partido que, ao menos no campo da esquerda, está bastante fragilizado (para não afirmar noções mais drásticas). Neste breve debate –  autorizada por Clementino a sua publicação  – fiz poucas perguntas mais para saber sua posição. Assim, inauguramos esta seção do blog e espero que seja um espaço franco, fraterno, sem sectarismos e com respeito mútuo. Eis o debate:

Bruno: Companheiro, falta opinião pública de gente como tu a respeito da atual condução de governo.  Clementino, tu é uma voz lúcida e ainda radical dentro do PT. O que acha que vai acontecer (na saída de crise do impeachment e após a vitória no STF e a saída de Joaquim Levy)? Como deve se comportar o MST e a Via neste embate?

Clementino: Bruno, me alinho na posição de que o MST a Via e demais movimentos, inclusive, a CUT terão de comprometer o Governo com a mudança na politica econômica assumindo as pautas sociais no mínimo o programa de campanha.

Bruno: E sinceramente tu entendes que isso deve ocorrer?

Clementino: Sinceramente tenho dúvidas. Ela (Dilma) está emparedada; sinto que o PT – mesmo o chamado Campo Majoritário – quer salvar o Partido e isso vai pesar.

Bruno: E o que pensas das últimas ações do governo?

Clementino: Bruno o que penso das ultimas ações do Governo?  Penso que os movimentos organizados, sindical, movimentos sociais e os partidos à esquerda que dão sustentação ao governo, fizeram a sua parte indo pra rua e o governo vai ter que responder no mínimo pela pauta que se comprometeu na campanha. A mudança de ministro foi um bom sinal, mas terá que mudar a politica. A própria CUT está condicionando o apoio. Não poderá haver uma segunda chance. Chega dos trabalhadores pagarem a conta. A pauta da reforma agrária terá que ser retomada pelo governo, perda de direitos nem pensar. Terá que responder sobre o monopólio da mídia também.

Bruno: E qual seria a condição de pressão das bases sociais sobre o governo?

Clementino: Não vejo outra senão as ruas. Vejo a pressão nas instâncias do PT indispensável afinal é o principal partido de sustentação.  Neste período de recesso os parlamentares vão levar uma carga e isso chega ao Governo. Todos os seguimentos do PT estão conscientes ou o Governo muda o rumo ou não terá saída. Sinto uma mudança muito grande na opinião das pessoas favorável ao Governo principalmente em relação à Dilma e isso se os movimentos acertarem poderão levar milhares às ruas e as mudanças acontecerem. Mas se o Governo persistir no erro de só negociar no campo institucionalidade não haverá outra chance.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s