Reflexão após o horroroso espetáculo do processo de impeachment e sua judicialização

Por Bruno Lima Rocha

E por aí gostaria de desenvolver o raciocínio. Este seria o momento correto de algum grupo de dirigentes de movimento popular incorporar alguma grandeza política e condicionarem a luta contra o golpe paraguaio com a mudança imediata na política econômica e na defesa dos direitos sociais. O ex-líder do PMDB na Câmara, o chargista Leonardo Picciani, fez campanha e votou em Aécio, por exemplo. Isto demonstra a fragilidade deste governo, sua falta de convicção e a perda de confiança para o eleitorado. Sempre caracterizei este governo como de centro-direita, e caso Dilma sobreviva, vamos ter pela frente mais três anos de chicanas e paralisia decisória, a não ser que a maré vire de baixo para cima. Para tanto, ou convoca-se uma espécie de congresso de base, congresso do povo, ou se constrói uma pauta comum, ou então cada força político-social vai fazer sua luta imediata e sendo atropelada pela pauta do impeachment e a defesa do governo.

Tivemos uma eleição plebiscitária em segundo turno e o governo que inicia ainda em novembro rasgou a vontade popular. Desde fevereiro os ataques aos direitos adquiridos são semanais, sendo que algumas peças horrorosas, como a lei “anti-terrorismo”, foram empurradas goela abaixo com a ajuda do Planalto. Caracterizar o momento é tão importante como analisar as possibilidades e tomar posição.

1) Entendo que este governo é indefensável e o projeto do pacto de classes, como perdido. Mesmo para quem nunca aderiu, a caracterização é fim de ciclo em todos os sentidos;

2) A democracia indireta demonstra explicitamente sua limitação em fazer valer minimamente a vontade popular; ou radicalizamos a democracia de forma direta ou os espetáculos horrorosos como os de ontem vão se repetir;

3) É preciso remontar o conjunto da esquerda, incluindo a esquerda radicalizada e não eleitoral; o fim de ciclo atinge também a hegemonia da esquerda social e estamos todos a reboque do poder de convocatória permanente de quem tem estrutura. Quando a direita ataca, como foi o caso de Alckmin e a reestruturação da educação em São Paulo, ou no Levante de 2013, aí há chance de massificar;

4) Barrar o golpe paraguaio é importante para não deixar a autonomização da esfera política correr em paralelo às pressões sociais; a nova direita na rua não é brincadeira e sua base conservadora popular deve ser levada em conta;

5) Seria importante alguma medida de médio prazo, como uma lei de iniciativa popular de reforma política para radicalizar a democracia; caso contrário, vamos assistir a democracia do andar de cima ser debatida nas reuniões do STF;

6) Por fim, é necessário superar a histeria coletiva e não se posicionar automaticamente e menos ainda fingir que a política macro não tem relação com as bases sociais; tem sim e a defesa dos direitos é o mais importante, embora todas as agendas hoje estejam a reboque do processo de impeachment e sua judicialização.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s